Misato Mochizuki

Escrito por Eliana Monteiro da Silva - maio/2019

Misato Mochizuki (1969)

Biografia

        Misato Mochizuki nasceu em Tóquio, Japão, em 31 de janeiro de 1969. Estudou piano, harmonia e composição na Universidade Nacional e de Música de Belas Artes de Tóquio, obtendo em 1992 seu diploma de Mestre em Composição. Segue então para a França, onde estuda composição no Conservatório Nacional Superior de Música de Paris. Lá conquista o 1º Prêmio de Composição e passa a integrar a classe de Aperfeiçoamento de Paul Mefano e Emmanuel Nunes. Entre 1966 e 67 estuda composição e informática musical no IRCAM, onde conhece e trabalha com Tristan Murail.

        Misato angariou diversos prêmios, como o Grande Prêmio e o Prêmio Yasuda, no 64º Concurso Musical do Japão (1995); o Stipendien Preis, no 39º Ferienkurse de Darmstadt (1998); o Prêmio Akutagawa pela melhor composição para orquestra - Camera Lucida (2000); o Prêmio do Festival Ars Musica de Bruxelas por Chimera (2002); o Prêmio Otaka pela melhor peça sinfônica - Cloud Nine (2005); O Grande Prêmio da Tribuna Internacional de Compositores de Dublin, por L‘Heure Bleue (2008) e o Prêmio de Artista Feminina em Heidelberg (2010).

        Desde 2007, Misato leciona na Universidade Meiji Gakuin, em Tóquio. Atuou como professora convidada nos Cursos de Verão de Darmstadt, em 2008, bem como nos de Royaumont, Takefu e Amsterdã.

        Suas obras têm sido apresentadas em festivais - tais como os de Donauseschingen e Manca - e interpretadas e/ou gravadas por importantes grupos instrumentais, entre os quais destacam-se a Orquestra Sinfônica de SWR Baden-Baden, l'Orchestre Philharmonique de Radio France, Deutsche Sinfonieorchester de la SFB-Radio Berlin, l'Ensemble intercontemporain, l'Ensemble Modern, Klangforum Wien, Ictus Ensemble, Nieuw Ensemble, 2e2m, e Court-circuit.

        Entre 2011 e 2013, foi compositora residente no Festival Internacional de Música de Besançon. Em 2015, trabalhou na criação de um quarteto de percussão, Quark II, para Thierry Miroglio e seu Ensemble Orchestral Contemporain, apresentado sob regência de Daniel Kawka.

        Compôs também o quarteto de cordas Brains, apresentado em 2017 no Festival Présences, e uma obra para voz solista e ensemble, Têtes, apresentada no Festival de Darmstadt em 2017 pelo ensemble Musikfabrik.

        A compositora escreve também sobre música e cultura em periódicos como Yomiuri Shimbun e Keizai Shimbun, no Japão. Atua tanto em seu país como na Europa, participando de diversos eventos musicais.

        Suas composições são editadas pela Breitkopf & Härtel.

Composições

        A escrita de Misato Mochizuki une aspectos da tradição ocidental e da asiática. Apresenta liberdade formal e de estilo, com influência da música espectral e empregando modos orientais.

        A compositora se interessa também por outras áreas científicas, como Biologia e Genética. Suas peças Homeobox (2001) e Chimera (2000) demonstram esta característica de Misato. Sobre esta última, o jornal do IRCAM (2019) assinala:

 " Chimera evoca um organismo vivo, dotado de uma pulsação cardíaca cujas células vivem, se reproduzem, se transformam e se deslocam como um corpo biológico. É um movimento perpétuo que se desenvolve de acordo com regras metonímicas, amplificação de um detalhe, transformações dos ataques de figuras pelo surgimento de ruídos..." 

        O ser humano e o Cosmos são abordados em obras como Noos (2001) e Omega Project (2002). Estas são composições inspiradas nos trabalhos de Teilhard de Chardin.

        A fotografia é outra referência para a criação da compositora. La chambre Claire (1998) e Camera Lucida (1999) são exemplos desta vertente acessada por Misato. Já seu trabalho no IRCAM se reflete em Si bleu, si calme, de 1997, na qual emprega técnicas de mutação sonora e síntese cruzada.

        Em seu repertório é possível detectar também peças para cinema mudo, como para os filmes de Kenji Mizoguchi e Man Ray, e uma ópera bufa, The big bakery robbery, baseada em livros de Haruki Murakami.

Para conhecer sua obra

Mais informações

Misato Mochizuki (1969)

Biography

        Misato Mochizuki was born in Tokyo, Japan, on January 31, 1969. She studied piano, harmony and music composition at the National University of Fine Arts in Tokyo, obtaining a master's degree in composition in 1992. She moved to France, where she studied composition at the Paris’ National Conservatory of Music. There she conquered the 1st Prize of Composition and integrated the specialization class of Paul Mefano and Emmanuel Nunes. Between 1966 and 67 she studied Composition and Computer Music at IRCAM, where she met and worked with Tristan Murail.

        Misato was granted many awards, such as the Grand and the Yasuda Prize, at the 64th Japan Music Contest (1995); the Stipendien Preis, in the 39 Ferienkurse of Darmstadt (1998); the Akutagawa Award for Best Composition for Orchestra - Camera Lucida (2000); the Prize of the Ars Music Festival of Brussels, with Chimera (2002); the prize for the Best Symphonic Piece - Cloud Nine (2005); The Grand Prix of the Dublin International Composers Tribune, with L'Heure Bleue (2008) and the Female Artist Award at Heidelberg (2010).

        Since 2007, Misato teaches at Meiji Gakuin University in Tokyo. She acted as a guest teacher at the Darmstadt Summer Courses in 2008, as well as at Royaumont, Takefu and Amsterdam.

        Her oeuvres have been presented at important festivals - such as Donausesching and Mana - and performed and / or recorded by acknowledged instrumental groups, among which stand out the Baden-Baden SWR Symphonic Orchestra, the France Radio Philharmonic Orchestra, the Deutsche Sinfonieorchester of SFB-Radio Berlin, Intertemporal Encounter, Modern Modern, Klangforum Wien, Ictus Ensemble, New Set, 2e2m, and Court-circuit.

        Between 2011 and 2013, she was a composer resident at the Besançon International Music Festival. In 2015, she worked on creating a percussion quartet, Quark II, for Thierry Miroglio and his Contemporary Orchestral  Ensemble, under the direction of Daniel Kawka.

        Misato also composed the string quartet Brains, presented in 2017 at the Présences Festival, and a music for solo voice and ensemble, Têtes, performed in the Darmstadt Festival in 2017 by ensemble Musikfabrik.

        The composer also writes about music and culture in journals like Yomiuri Shimbun and Keizai Shimbun, in Japan. She works in her country as well as in Europe, participating in musical events.

        Her compositions are edited by Breitkopf & Härtel.

Compositions

        Misato Mochizuki's oeuvres unite aspects of the Western and Asian traditions. Her composition presents formal and style freedom, influenced by spectral music and employing oriental modes.

        The composer is also interested in other scientific areas, such as Biology and Genetics. The pieces Homeobox (2001) and Chimera (2000) demonstrate this characteristic of Misato. On the latter, the IRCAM (2019) newspaper notes:

Chimera evokes a living organism endowed with a heartbeat whose cells live, reproduce, transform and move like a biological body. It is a perpetual movement that develops according to metonymic rules, amplification of a detail, transformations of the attacks of figures by the appearance of noises ...

        The human being and the Cosmos are approached in works like Noos (2001) and Omega Project (2002). These are compositions inspired by the works of Teilhard de Chardin.

        The photograph is another reference for the composer’s creation. La chambre Claire (1998) and Camera Lucida (1999) are examples of this strand accessed by Misato. Her work at IRCAM is reflected in Si bleu, si calme, from 1997, in which she employs sound mutation and cross-synthesis techniques.

        In her repertoire it is also possible to detect pieces for silent films, as for the films of Kenji Mizoguchi and Man Ray, and an opera bufa, The big bakery robbery, based on books of Haruki Murakami.

To know her work

More Information

Misato Mochizuki