Mariela Condo

Escrito por Ligia Monteiro - maio/2018

Mariela Condo (1983)

Biografia

        Mariela Condo nasceu em 1983 em Cacha-Puruhá, comunidade indígena localizada no Equador. Ainda na infância, manifestou sua curiosidade musical e começou a aprender canções. Participou de diversas atividades culturais, tais como encontros musicais, cantatas infantis e grupos corais, experiências que aprimoraram sua voz e sua personalidade musical.

            Mais adiante, a artista passou a compor e escrever canções, sendo a maioria delas centradas em temáticas naturais. Abordando tópicos como o ar, a chuva e o vento, Mariela passou a ser uma das cantautoras mais reconhecidas do Equador. Graduou-se na Universidad San Francisco de Quito, dentro de um programa internacional da Berklee College of Music.

            Embora jovem, Mariela já participou de diversos eventos internacionais representando o Equador, tais como a Feira “Expo Milano 2015”, o “Encuentro de Cantautores” realizado em Lima e o Festival “Canções Para Uma Festa” sediado em Lisboa. Também recebeu inúmeros prêmios: em 2012, foi reconhecida com o Premio al Mérito Cultural “Medalla Bicentenaria”, do Ministério de Cultura do Equador; em 2016, foi condecorada artista principal do “Festival Cultural del Equador en Francia”, realizada pela embaixada do Equador para promover a cultura nacional.

           Tanto na escola como em outros contextos, Mariela enfrentou o racismo, o machismo e o etnocentrismo. Para ela, são males que muitos vivem: “tanto o racismo quanto o etnocentrismo são tristes enfermidades da humanidade, são atos de violência”. Nesse sentido, suas manifestações artísticas têm tido um papel fundamenta: o de lhe ajudar a amadurecer e confiar que pode cumprir seu propósito.

Composições

        As composições de Mariela refletem em grande medida suas origens. Segundo a artista, em sua comunidade a maioria das pessoas dedica-se à agricultura, atividade que é acompanhada diariamente pela música, em especial o canto. Assim, muitas de suas obras têm influência das canções de sua terra natal, bem como de outras culturas: Mariela afirma querer fazer uma música livre, descrevendo experiências de dentro e de fora de sua comunidade.

         Em 2007, a artista realizou seu primeiro trabalho discográfico chamado “Shuk Shimi, Waranka Shimi”, o que quer dizer “Uma voz, mil vozes” em quichua, idioma indígena da zona andina e língua materna da artista. Essa produção possui elementos contemporâneos e indígenas inspirados nas experiências musicais das comunidades de Chimborazo e Imbabura e marcou o início de sua carreira como solista.

         Para Mariela, o processo de composição é como um espelho em que ela se reflete e, ao mesmo tempo, se descobre. Essa metáfora é o que inspirou o nome de seu segundo disco: Vengo a ver, lançado em 2013. A produção reúne onze canções em espanhol e duas em quichua, as quais pertenceram a seus avós.

        Recentemente, a cantautora vem apresentando sua nova proposta musical: “Pinceladas”. A obra mostra as raízes mais profundas da América Latina e propõe melodias que revitalizam a grande diversidade cultural do continente.

Mais informações

Para conhecer sua obra

Mariela Condo (1983)

Biography

        Mariela Condo was born in 1983 in Cacha-Puruhá, indigenous community located in Ecuador. During her childhood, she developed a musical curiosity and started to learn songs. The artist took part in many cultural actitivies, such as musical events and quires, which contributed to improve her voice and her musical personality.

        After that, Mariela started to compose and write songs, most of them focused on environmental themes like the air, the rain and the wind. Lately, she became one of the most acknowledged singer-songwriter in Ecuador. She graduated in the Univserity of San Francisco of Quito, within a Berklee College of Music international program.

        Mariela has already participated in many international events such as the Fair Expo Milano 2015, the Sing-songwriters Conference of Lima and the Festival Songs for a Party held in Lisbon. She has also been nominated for many awards: in 2012, she received the Prize “Medalla Bicentenaria” from the Ministry of Culture of Ecuador; in 2016, she was nominated main artist of the Cultural Festival of Ecuador in France, organized by the Ecuador Embassy in order to promote its national culture.

        The artist faced racism, sexism and ethnocentrism in school and other environments. To her, those are problems that many have to deal with: “both racism and ethnocentrism are sad infirmities of humanity, are acts of violence”. Therefore, her artistic manifestations have had a fundamental role: the role of helping her evolve and trust that she can reach her purpose.

Compositions

        Condo’s compositions reflect her origins to a great extent. According to the artist, most of the people in her community work with agriculture, activity that is accompanied daily by the music (especially singing). Many of her works have been influenced by songs of her community, as well as by other cultures. Mariela wants to make a free music, describing experiences from both inside and out of her community.

        In 2007, the artist published her first work called “Shuk Shimi, Waranka Shimi”, which means “One voice, a thousand voices” in Quichua, indigenous language of the Andes and her mother tongue. The production marked the beginning of her solo career and possesses contemporary and indigenous elements inspired by musical experiences in the communities Chimborazo and Imbabura.

        To Mariela, the composition process is like a mirror in which she is, at the same time, reflected and discovered. This process is what inspired the name of her second work: “Vengo a ver” (“I’ve came to see”), launched in 2013. The work gathers eleven songs in Spanish and two in Quichua, which belonged to her grandparents.

        Recently, the singer-songwriter has been presenting her new musical proposal: “Pinceladas”. The work has shown the most profound roots of Latin America and shows melodies that revitalize the continent great cultural diversity.

More information

To know her work

© 2020 por Eliana Monteiro da Silva. Webmaster: Carolina Andrade Oliveira.

  • Ouça Eliana Monteiro da Silva
  • YouTube - Círculo Branco