Kilza Setti

Escrito por Ligia Monteiro - janeiro/2018

Kilza Setti (1932)

Biografia

        Kilza Setti nasceu em São Paulo, Brasil, em 1932. Compositora, pesquisadora e etnomusicóloga, a artista iniciou seus estudos de piano com a professora Leonilda Morganti. Aos oito anos, passou a ter aulas com o pianista e compositor Fructuoso Vianna, tendo prosseguido os estudos com Nair de Lime Tabet e Antonio Munhoz.

        Em 1953, Kilza graduou-se em piano no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Em seguida, recebeu uma bolsa de estudos da Comissão de Comemorações do IV Centenário da Cidade de São Paulo para ser aluna de composição de Camargo Guarnieri, com quem estudou de 1954 a 1960.

        Em 1966, foi indicada como bolsista do Instituto Torcuato Di Tella no Centro Latino-Americano de Altos Estudos Musicais, ao qual não frequentou por motivos pessoais. Em 1970, passou a estudar etnomusicologia no Arquivo Musical Português, com bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian de Lisboa. O interesse pelo folclore incentivou a artista a pesquisar sobre uma possível conexão entre a música portuguesa e a música desenvolvida pelos pescadores caiçaras do litoral brasileiro.

        Devido a seu interesse em identificar os processos de composição em culturas não ocidentais, Kilza iniciou, em 1975, uma pesquisa em etnomusicologia na região de Ubatuba, litoral paulista. Em 1982, defendeu tese de doutorado em Antropologia Social na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras na Universidade de São Paulo sobre o material pesquisado: Ubatuba nos Cantos das Praias. Kilza também se interessa pela música indígena, com especial ênfase nos sistemas musicais dos índios Guarani-Mbyá de São Paulo e nas canções de rituais dos índios Timbira do Maranhão e Tocantins. Sobre esses assuntos, a artista publicou diversos artigos, tanto no Brasil como no exterior.

        Além de sua atuação como pianista, etnomusicóloga e compositora, a artista também atuou como educadora, tendo lecionado folclore e etnomusicologia na Faculdade de Música Santa Marcelina (de 1975 a 1977), bem como antropologia musical na pós graduação da USP (em 1985) e etnomusicologia na Universidade Federal da Bahia (em 1991).

        Kilza é responsável pela fundação da Associação Brasileira de Folclore, onde organizou conferências e cursos, além da fundação da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música e da Associação Brasileira de Etnomusicologia. Atualmente é Assessora Científica da FAPESP e integra o Conselho Editorial da revista African Music (Rhodes University, África do Sul).

Composições

        Kilza Setti desenvolveu um estilo musical livre e individual, tendo produzido cerca de 70 peças que incluem conjuntos instrumentais de câmara, coral, percussão e orquestra. De maneira geral, pode-se notar uma predominância de obras vocais (canto coral e canto lírico), sobretudo nas composições de câmara.

        Estudiosa da música folclórica brasileira, a artista também desenvolve um trabalho militante em suas composições - muitas de suas obras fazem menção à música dos pescadores e indígenas que Kilza pesquisou ao longo de sua carreira, com a intenção de destacar a situação em que esses povos encontram-se: degradação ambiental, perda de território e, consequentemente, perda de identidade.

        A Missa Caiçara, por exemplo, utiliza instrumentos próprios dos pescadores (viola caipira, rabeca e caixa) e cita fragmentos de suas músicas para evidenciar a riqueza cultural desse povo. A obra também tem como objetivo evidenciar a opressão sofrida pelas mulheres em áreas remotas brasileiras, devido à educação patriarcal e à rigidez das práticas religiosas. Para isso, Kilza utiliza trechos populares tradicionalmente cantados em festividades para evocar São Gonçalo, padroeiro das mulheres inférteis e prostitutas.

        Por fim, a importância de sua obra reflete-se na quantidade de prêmios que Kilza recebeu como compositora. Alguns deles são:

  • 1958: Menção Honrosa com Dois Corais Mistos no Concurso Brasileiro de Composição em Comemoração ao 150o Aniversário de fundação de G. Ricordi;

  • 1959: 2o Prêmio com Balada do Rei das Sereias no Concurso Brasileiro de Composição da Comissão Estadual de Música;

  • 1960: Menção Honrosa com Série para piano no Concurso Brasileiro de Composição da Comissão Estadual de Música;

  • 1961: Menção honrosa com Três Lembranças do Folclore Infantil e 1o Prêmio com Trova de muito amor para um amado senhor no Concurso A canção brasileira, Rádio MEC;

  • 1962: Menção honrosa com Cantorias Paulistas no Concurso A canção brasileira, Rádio MEC;

Para conhecer sua obra

Kilza Setti (1932)

Biography

        Kilza Setti – composer, researcher and ethnomusicologist – was born in São Paulo, Brazil, in 1932. The artist started her piano classes with Leonilda Morganti and, by the time she was eight, she began taking classes with Fructuoso Vianna. Throughout her career, she also took classes with professors such as Nair de Lime Tabet and Antonio Munhoz.

        In 1953, Kilza graduated as a pianist at the Conservatório Dramático e Musical, São Paulo. From 1954 to 1960, she studied composition with Camargo Guarnieri, with scholarship from the Comissão de Comemorações do IV Centenário da Cidade de São Paulo. Kilza also received a scholarship from the Instituto Torcuato Di Tella to study composition at the Centro Latino-Americano de Altos Estudos Musicais, to which she couldn’t go due to personal reasons. In 1970, a Gulbenkian Foundation grant enabled to study ethnomusicology at the Arquivo Musical Português. There, she was able the research the connections between the Portuguese music and the music developed by the Brazilian coastline fisherman.

        The artist has always been eager to identify the composition processes developed by non-occidental cultures. Therefore, she initiated in 1975 a research in Ubatuba, located in the coastline of the state of Sao Paulo, Brazil. In 1982, Kilza presented her research and obtained a doctorate in Social Anthropology at the University of Sao Paulo. Kilza has also been interested by the indigenous music, specially the ones developed by the Guarani-Mbyá (located in the state of Sao Paulo) and by the Timbira (located in the states of Maranhao and Tocantins). The artist published many articles regarding these topics, both national and internationally.

        Besides being a pianist, ethnomusicologist and a composer, the artist has also worked as an educator. From 1975 to 1977, Kilza taught folk music and ethnomusicology at the Faculdade de Música Santa Marcelina. In 1985, she taught musical anthropology at the graduate course of the University of Sao Paulo and, in 1991, she taught ethnomusicology at the Federal University of Bahia.

        Kilza founded the Associação Brasileira de Folclore, the Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música and the Associação Brasileira de Etnomusicologia. Currently, she is a FAPESP scientific advisor and takes part in the African Music’s editorial council (Rhodes University, South Africa).

Compositions

        Kilza has developed a free and individual music style, with particular interest for vocal pieces. She has composed over 70 pieces that include camera music, chords, percussion and orchestras.

        As a folk Brazilian music researcher, the artist also develops a militant work in her compositions - many of her pieces cite fragments of music from the fishermen and indigenous people that Kilza has studied throughout her career. Her intention with these citations is to enlighten the terrible situation in which the communities are found nowadays: environmental degradation, territorial loss and, consequently, identity loss.

        For instance, the Missa Caiçara uses fishermen instruments like viola caipira, rabeca and caixa, and cites fragments of their music to show the richness of their culture. Particularly, the work aims to show the oppression faced by woman in remote Brazilian areas, caused by patriarchal education and by the rigid religious practices. For this mass, Kilza uses pieces of songs traditionally sang in rituals to evocate São Gonçalo, the protector of infertile woman and prostitutes.

        Finally, the importance of Kilza’s work reflects the numerous prizes that she has won as a composer. Some of them are:

  • 1958: Honorable Mention with Dois Corais Mistos at the Concurso Brasileiro de Composição em Comemoração ao 150o Aniversário de fundação de G. Ricordi;

  • 1959: Second Prize with Balada do Rei das Sereias at the Concurso Brasileiro de Composição da Comissão Estadual de Música;

  • 1960: Honorable Mention with Série para piano at the Concurso Brasileiro de Composição da Comissão Estadual de Música;

  • 1961: Honorable Mention with Três Lembranças do Folclore Infantil and First Prize with Trova de muito amor para um amado senhor at the Concurso A canção brasileira, Rádio MEC;

  • 1962: Honorable Mention with Cantorias Paulistas at the Concurso A canção brasileira, Rádio MEC;

More information

© 2020 por Eliana Monteiro da Silva. Webmaster: Carolina Andrade Oliveira.

  • Ouça Eliana Monteiro da Silva
  • YouTube - Círculo Branco