Florence Beatrice Price

Escrito por Ligia Monteiro - abril/2018

Florence Beatrice Price (1887 – 1953)

Biografia

        Florence Beatrice Price nasceu em Little Rock, Estados Unidos, em 1887. Durante a infância, aprendeu a tocar piano com sua mãe, Florence Gulliver, que era professora de música. Aos 4 anos, Florence realizou seu primeiro recital e, aos 11, publicou sua primeira composição.

        A artista estudou piano e órgão no Conservatório de Música de New England, graduando-se com menção honrosa. Durante os anos que se seguiram à graduação, Price trabalhou como professora de música e compositora. Em 1910, mudou-se para Atlanta como chefe do departamento de música da Universidade de Clark.

        Em 1912, Florence casou-se com Thomas J. Price. Juntos, eles se mudaram novamente para Little Rock, onde a artista montou uma escola de música. A família Price viveu severos traumas devido ao preconceito que sofriam em Little Rock. Por ser negra, a artista teve sua participação negada na associação de professores de música do estado de Arkansas. Em 1927, então, eles decidiram mudar-se para Illinois. Em 1931, Florence divorciou-se de Thomas e passou a enfrentar dificuldades financeiras, tendo que trabalhar como compositora de anúncios de rádio a como organista para filmes mudos.

        É importante ressaltar que Florence enfrentou diversos preconceitos durante a vida. Embora orgulhosa de suas conquistas, ela sempre sentiu que sua raça e seu gênero iriam de alguma forma prejudicar a recepção de sua música. Como a artista escreveu, em carta ao diretor de música da Orquestra Sinfônica de Boston: “Infelizmente o trabalho de uma mulher compositora é pré-avaliado como sendo leve, trivial, sem profundidade, lógica ou virilidade. Adicione a isso o incidente racial – tenho sangue negro em minhas veias – e você vai entender algumas das dificuldades que enfrenta alguém nessa posição”. Não há evidências de que ele tenha respondido a ela.

        Florence faleceu em 1953 em Illinois a muitas de suas composições se perderam. Somente em 2009, durante a reforma de uma casa abandonada que costumava ser sua casa de verão, os novos donos descobriram diversos manuscritos musicais, livros e documentos que pertenciam à Price. Atualmente, esses documentos podem ser encontrados na Universidade de Arkansas.

Composições

        Durante sua carreira, Florence compôs mais de 300 peças, deixando um vaso legado de sinfonias, concertos, músicas de câmara, composições vocais, e peças para piano e órgão. Seu estilo musical é uma mistura de música europeia e melodias e ritmos afro-americanos.

        Em 1932, a artista ganhou diversos prêmios da Fundação Wanamaker, por sua Sonata para Piano em Mi Menor e pela Sinfonia em Mi Menor, sua composição mais famosa. No ano seguinte, a sinfonia foi apresentada pela Orquestra Sinfônica de Chicago e tornou-se a primeira peça composta por uma mulher afro-americana a ser tocada por uma grande orquestra sinfônica. Depois disso, orquestras europeias também apresentaram suas composições.

        Por ser profundamente religiosa, a artista também trouxe para sua música as melodias e rítmos da igreja afro-americana. Sua peça espiritual “My Soul’s Been Anchored in the Lord”, por exemplo, foi interpretada em 1939 pela cantora Marian Anderson durante o famoso recital de páscoa no Lincoln Memorial. Naquela época, a cidade de Washington era segregada e Anderson não poderia cantar dentro do memorial, por ser negra. Então, a primeira-dama Eleanor Roosevelt interveio e o resultado foi um concerto a céu aberto único, apresentado nas escadas do memorial.

Mais informações

Para conhecer sua obra

Florence Beatrice Price (1887 – 1953)

Biography

        Florence Beatrice Price was born in Little Rock, U.S., in 1887. As a child, she learned how to play the piano with her mother, Florence Gulliver, who was a music teacher. At the age of 4, Florence gave her first recital and, at the age of 11, she published her first composition.

        The artist graduated with honors at the New England Conservatory of Music, majoring in piano and organ. During a few years after graduation, Price worked as a music teacher and as a composer. In 1910, she moved to Atlanta to head the Clark University`s music department.

        In 1912, Florence got married to Thomas J. Price. Together, they moved back to Little Rock, where the artist started a music school. The Price family experienced severe racial trauma while in Little Rock. Because of her race, Florence was denied membership in the Arkansas State Music Teachers Association. In 1927, they decided to move to Illinois. After divorcing Thomas, in 1931, the artist started to work as a composer for radio ads and as an organist for silent-film screenings, due to financial difficulties.

        It is important to point out that Florence faced many prejudices through her life. Although she was proud of her accomplishments, she always felt that her race and her gender would impair the reception of her music. As the artist wrote in a letter to Serge Koussevitzky, the music director of the Boston Symphony Orchestra: “Unfortunately the work of a woman composer is preconceived by many to be light, froth, lacking in depth, logic and virility. Add to that the incident of race – I have colored blood in my veins – and you will understand some of the difficulties that confront one in such a position”. There is no evidence he ever replied to her.

        Florence died in 1953 in Illinois and many of her compositions were lost. It was only in 2009, during renovations of an abandoned house that used to be her summer home, that the new owners discovered piles of musical manuscripts, books and documents belonging to Price. Currently, these works can be found at the University of Arkansas.

Compositions

        Throughout her career, Florence composed more than 300 works, leaving a vast legacy of symphonies, concertos, chamber music, vocal compositions, piano an organ pieces. Her musical style is a mixture of European music and African-American melodies and rhythms.

        In 1932, the artist won multiple prizes from the Wanamaker Foundation for the Piano Sonata in E Minor and for the Symphony in E Minor, her most famous composition. The following year, the symphony was performed by the Chicago Symphony Orchestra, becoming the first work composed by an African-American woman to be played by a major symphony. After that, European orchestras also performed her compositions.

        As a deeply religious person, the artist also brought to her music the melodies and rhythms of the African-American church. Her spiritual piece “My Soul’s Been Anchored in the Lord”, for instance, was sang in 1939 by Marian Anderson during the famous Easter Sunday recital at the Lincoln Memorial. By that time, Washington D.C. was a segregated city, and Anderson was not allowed to sing inside the Memorial. Then, Eleanor Roosevelt, First Lady of the U.S., stepped in and the result was a unique outdoor concert, held on the steps of the Lincoln Memorial.

More information

Get to know her compositions

© 2020 por Eliana Monteiro da Silva. Webmaster: Carolina Andrade Oliveira.

  • Ouça Eliana Monteiro da Silva
  • YouTube - Círculo Branco